Amante discreto

  • FLAGRA CASAL TRANSANDO NO CARRO EM MOVIMENTO NO TRANSITO

POR QUE EU AMO AS ACOMPANHANTES

Tenho uma vida corrida aqui em Belo Horizonte, o trabalho exige muito de mim e com o tempo eu me distanciei da família, que só encontro eventualmente, uma ou duas vezes por ano.

Minha vida é o meu trabalho, literalmente. Eu administro uma empresa de cobranças que comecei a oito anos com dois amigos quando ainda estava na faculdade, e tenho muito orgulho do trabalho que fazemos e dos nossos resultados.

Agora eu tenho quase 30 anos, estou começando a perder cabelo e cultivo uma barriguinha da prosperidade, mas ainda não sou o que se pode chamar de barrigudo, estou a alguns anos disso.

Como quase não vejo mais a minha família e não consigo desenvolver muita intimidade com os colegas de trabalho, comecei a me relacionar com acompanhantes Belo Horizonte, na maioria das vezes são acompanhantes de luxo, mas nem sempre.

Quando comecei eu só queria sexo mesmo, uma ou duas vezes por semana eu contratava uma acompanhante. Telefonava, combinava o preço e o horário e ia até o local dela.

Não gostava das acompanhantes que faziam tudo no automático ou com pressa, mesmo quando elas eram muito gostosas. Com elas eu nunca repetia.

Com o tempo eu conheci muitas acompanhantes mas sempre indo em moteis ou nos locais das garotas. Eu tinha vontade de convidar as meninas para irem na minha casa, ficava imaginando passar o final de semana com uma delas, mas tinha muito receio, não que alguma delas tenha me dado motivos para isso, eu só tinha medo mesmo de levar uma delas para a minha casa e depois a garota tornar a minha vida um inferno.

Mas um dia eu conheci a Gabi, uma garota de programa linda, gostosa e que tinha uma bunda perfeita. Não resisti e marquei o programa. Depois disso, por meses eu não comi mais ninguém, só a Gabi. Fiquei viciado nela.

Também não era mais só motel ou o apartamento dela, com a Gabi eu comecei a marcar os encontros em restaurantes, barzinhos, cinemas… E depois de conversar um pouco a gente ia para um motel.

Confesso que acho a Gabi uma mulher muito inteligente e sensível, e que adorava conversar com ela. Depois de um tempo, as nossas conversas eram tão interessantes que a gente enrolava muito antes de ir pro motel.

E foi com a Gabi que eu finalmente tive coragem de marcar um programa na minha casa, para o final de semana inteiro. Fiquei imaginando que a gente ia transar na casa toda, em todos os lugares e em todas as posições imagináveis, mas não foi exatamente isso que aconteceu.

Quando peguei a Gabi na sexta a noite ela estava com algumas sacolas, tinha comprado um vinho chileno excelente e tudo que ia precisar para fazer um jantarzinho pra gente. Eu achei aquilo inesperado e gostei muito. Depois do jantar a gente assistio O Poderoso Chefão. Eu sempre falava no filme mas ela não tinha assistido ainda.

Foi um dos melhores finais de semana da minha vida. A Gabi foi perfeita, realizava por conta própria todas as fantasias que eu tinha imaginado, sem que eu precisasse pedir.

Era uma mulher maravilhosa desfilando na minha casa com lingeries minúsculas e deliciosas, fazendo o café da manhã e cuidando de mim durante todo o final de semana, e me deixando de pau duro o dia inteiro, isso mesmo, o dia todo ela me excitava, provocava, e quando percebia que eu aquilo já estava me deixando no limite, a gente ia até o final, fosse onde fosse, na cozinha, na piscina, na sala…

Na segunda feira de manhã, quando eu estava dirigindo para deixar a Gabi em casa, ganhei uma chupada peliciosa no carro.

Durante meses eu só comia a Gabi, não entrava mais em sites de acompanhantes e não ligava para nenhuma outra acompanhante com quem já tinha saído antes. Na minha cabeça, era como se a gente estivesse namorando, e embora a gente nunca tenha falado abertamente sobre isso, eram evidentes as demonstrações de carinho.

Ai, um dia ela disse que ia passar um tempo em São Paulo. Eu fiquei quase um mês sem sair com ninguém, até começar a entrar nos sites de acompanhantes de Belo Horizonte outra vez e contratar outra garota de programa, mas agora não queria mais aquela rotina de antes, queria uma acompanhante que pudesse me dar aquilo que eu tive com a Gabi.

E depois de algumas tentativas deliciosas mas que não eram ideais, eu acabei encontrando outras meninas legais, divertidas e inteligentes. Adoro a companhia delas, mas ainda gosto de ficar com a mesma acompanhante por um tempo mais longo e desenvolver a intimidade entre nós.

Já viagei com acompanhantes para Tiradentes e Ouro Preto, vi e gostei de filmes indicados por elas que eu nunca tinha ouvido falar, e acabei aprendendo muitas coisas. Em resumo, vivi momentos inesquecíveis com cada uma delas.

Bom, tem muita gente por ai que pode dizer que eu trato as acompanhantes como namoradas por carencia, mas eu acho que não, embora não saiba explicar exatamente o porque disso, se é que existe um porque. Talvez seja só a minha fantasia.

Mas eu acho que estava cansado de uma vida solitária que só era dedicada ao trabalho. Não conseguia desenvolver intimidade com colegas de trabalho e muito menos com as meninas que conhecia nos happy hours ou nos poucos eventos que eu frequento. Nunca confiei demais em ninguém, e talvez isso tenha me impedido de ter um relacionamento longo com uma namorada.

Mas as acompanhantes mudaram a minha vida, e foi para melhor. Não sei o que seria de mim sem as meninas!

Depoímento real de um cliente do site Garota Linda, públicado com autorização do cliente e da Gabi.

1 comentário. Comente também!

Comentário postado por Alfonso às 02:05

Legal o comentário, mas qual o problema do cara assumir que tava com carência afetiva? É muita frescura, o cara pega uma puta das boas, passa o fds metendo e ainda fica com frescura…